Uma noite com a chef Bel Coelho

A Bel foi a chef pivô da confusão entre o Lucas e a Paola na segunda edição do Masterchef Brasil e foi chef convidada no Masterchef Kids. Até o início do mês passado, era isso que eu sabia dela e não tenho vergonha de admitir. Quem me conhece sabe que sou uma apaixonada por lanches e afins e fiz o blog por isso, para ensinar receitas fáceis e indicar lugares legais para comer e se divertir com gente querida.

Eu e meus amigos não costumamos sair para jantar em restaurantes e essas coisas, até porque aqui em Manaus não tem tanto restaurante experiência assim, a maioria é voltada pra família e tem um cardápio mais previsível. Talvez seja por isso que não conheça tanto o mundo da alta gastronomia, e talvez seja por isso que não conhecia muito o trabalho da Bel Coelho. Mas quem me conhece também sabe que sou curiosa e, desde que comecei o blog, já aprendi muito sobre chefs e pratos mais sofisticados.

bel coelho

Por isso, quando descobri que ela vinha para Manaus, comecei a pesquisar e acabei me apaixonando. Bel é uma dessas chefs que ama os ingredientes brasileiros e faz da cozinha um atelier de obras de artes lindas e cheias de sabor. Atualmente, comanda o Clandestino, um lugar intimista onde ela serve apenas 20 pessoas por noite com pratos cheios de conceito e super elaborados. Ah, ela também tem um programa que passa no canal pago Discovery TLC, o Receita de Viagem.

Já cheguei no jantar cheia de expectativas e elas conseguiram ser superadas! A Bel é a simpatia e a simplicidade em forma de gente, sério, ela gosta tanto de cozinhar que consegue deixar o clima gostoso e todo mundo feliz antes mesmo de servir a comida. Contou pra todo mundo que adorou nosso Mercado Municipal, explicava cada ingrediente e o que ele estava fazendo ali, e mexia tudo com tanto amor que contagiava a sala.

Bel-coelho

Começamos os trabalhos com uma entradinha linda e deliciosa de Tartar de atum com tarê de jabuticaba e broto de alho. Como não sei degustar elegantemente, comi uns quatro desses :P.

FullSizeRender (1)

Depois, comemos o prato mais surpreendente de todos: uma salada de picles de chuchu com chutney de manga, cebola roxa, rabanete, castanha, creme de pupunha e brotos. Acho que foi uma das coisas mais gostosas que já provei na vida, sério, a combinação era uma explosão de sabores na boca e tudo encaixava perfeitamente. O mais legal foi que ela convidou a turma pra montar o prato e todo mundo se divertiu muito ^^.

salada-bel-colelho-blog-gastronomia-picles

O prato principal foi um robalo com ervilhas tortas e molho de castanha. Estava maravilhoso e eu sonho com ele até hoje. Acho que vou tentar reproduzir em casa <3.

tilapia-bel-coelho-ervilha-creme-de-castanha-2

A sobremesa foi, sem sombra de dúvidas, a mais linda que já tive a oportunidade de ver na minha frente e comer. Era sorvete de cumaru com ovos moles, laranja, gelatina de água de flor e laranjeira e caramelo de pimenta rosa. Parecia poesia e, como uma amiga que estava na mesa comigo falou: parecia que estávamos comendo perfume.

sobremesa-bel-coelho

No final, recebemos nosso prato autografado, nosso kit do Pátio Gourmet (com uma ecobag, um encarte com as receitas da noite, um avental e um utensílio culinário) e tiramos foto com a chef mais simpática e talentosa que já tive a oportunidade conhecer até agora <3. Na minha próxima passagem por São Paulo, visitarei o Clandestino com certeza!

monica-e-bel-coelho

Mais sobre Bel Coelho

Bel já tinha certeza que queria ser chef desde os 16 anos, por isso trancou o curso de psicologia e mergulhou de cabeça no mundo das panelas. Começou a carreira como estagiária de Laurent Suadeau e no Fasano. Estudou no Culinary Institute of America (CIA) em Nova York, trabalhou na Inglaterra, Portugal, França e Espanha (onde cozinhou apenas no El Celler Can Roca, com três estrelas no guia Michelin). No Brasil, já trabalhou no D.O.M com Alex Atala, comandou os menus de restaurantes reconhecidos como Madelleine, Buddah Bar e Sabuji, onde  recebeu o prêmio de Chef Revelação, oferecido pelo júri de Veja São Paulo. De 2009 a maio de 2013, comandou o próprio restaurante, o Diu, e agora segue com o projeto Clandestino.

o blog foi convidado

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s